Região de Atuação

Ecologia e estado sanitário do cachorro-vinagre (Speothos venaticus) no Cerrado e na Mata Atlântica


Equipe Responsável


Coordenador do Projeto:
Dr. Ronaldo Gonçalves Morato, Médico Veterinário

Equipe Executora:
MSc. Edson de Souza Lima, Biólogo
Dra. Maria Luiza da Silva Pinto Jorge, Bióloga
Dra. Beatriz de Melo Beisiegel, Bióloga
Dr. Rodrigo Silva Pinto Jorge, Médico Veterinário

Descrição

Este estudo dará continuidade a um trabalho iniciado em 2004 no Cerrado do Mato Grosso e parcialmente financiado pela Fundação Boticário (2008-2010). Será um estudo de campo sobre uma das espécies de canídeos neotropicais menos estudadas, o cachorro-vinagre, Speothos venaticus, em dois biomas brasileiros altamente ameaçados: o Cerrado e a Mata Atlântica.Desde 2004, três grupos de Speothos foram acompanhados por rádio-telemetria (Lima et al. 2005). Nossos resultados revelaram que os grupos de Speothos do Cerrado do Mato Grosso têm como base principal da sua dieta o tatu-galinha (Dasypus novemcinctus), que ocupam áreas extensas (centenas de quilômetros quadrados), utilizam sub-áreas dentro de suas áreas de forma rotativa, e que dependem fortemente da vegetação nativa (florestas e cerrado) para a sua sobrevivência (Lima et al. submetidos). No entanto, várias questões de ecologia espacial, demografia e estado sanitário ainda estão em aberto. Por exemplo, como ocorre a ocupação do espaço por grupos vizinhos? Quando e como ocorre a dispersão de indivíduos jovens do núcleo familiar? Em qual extensão a mortalidade decorrente das ameaças observadas, como o abate de cachorros-vinagres pelo homem e cães domésticos e a ocorrência de sarna sarcóptica, resultam em impacto negativo para a conservação da espécie? Além disso, percebemos ser fundamental expandir nossos conhecimentos ecológicos e sanitários sobre Speothos para outros biomas, a fim de compreender quais características ecológicas observadas são gerais da espécie e quais são específicas de cada bioma. Diante do exposto, o presente estudo tem por meta principal dar continuidade ao trabalho iniciado em 2004 (acompanhamento de grupos por telemetria e análise sanitária dos animais capturados), adicionando os seguintes objetivos específicos: (1) expandir nosso esforço para um bioma florestal (Mata Atlântica); (2) focar nossos esforços na captura de grupos vizinhos; (3) expandir nosso acompanhamento para indivíduos jovens dos grupos, com idade para dispersão. Para tanto, continuaremos e melhoraremos nosso trabalho de divulgação da espécie entre os moradores da região do Mato Grosso, pois este se mostrou altamente eficiente para auxiliar na localização e captura dos grupos de Speothos, bem como auxilia na divulgação da espécie. Finalmente, utilizaremos telemetria por GPS juntamente com telemetria convencional, a fim de possibilitar o acompanhamento simultâneo e contínuo de mais de um grupo.

O presente estudo possibilitará dar continuidade ao único estudo de ecologia espacial, demografia, estado sanitário e história natural detalhada de Speothos e continuará a gerar informações fundamentais para subsidiar a conservação da espécie.