O Instituto
Pró-Carnívoros

O Instituto para a Conservação dos Carnívoros Neotropicais – Pró-Carnívoros é uma associação civil, de direito privado, não governamental e sem fins lucrativos. Foi fundada no Brasil em 1996, está sediada em Atibaia - SP e tem projetos a campo em diversos pontos do país. Clique para saber mais

Novidades por e-mail

Artigo na Sciences Advances com alguns associados do Instituto Pró-Carnívoros

Publicado por Instituto Pró-Carnívoros em 04/08/2017
Animais

Brasil lidera sequenciamento da onça-pintada

Genomas revelam cruzamentos antigos entre espécies de grandes felinos

                Com a participação de especialistas de sete países, um grupo de cientistas  brasileiros liderou o sequenciamento do genoma da onça-pintada, o maior felino das Américas, que está ameaçado de extinção. Hoje restrito a menos da metade da área original, ainda ocorre com certa abundância na Amazônia e Pantanal, mas está criticamente ameaçado de desaparecer da Mata Atlântica. Os dados foram comparados aos genomas de outros quatro grandes felinos (tigre, leão, leopardo-das-neves e leopardo), todos do gênero Panthera. A análise dessa enorme gama de informações foi feita durante cinco anos, sob a coordenação do professor da PUCRS e membro do Instituto Pró-Carnívoros Eduardo Eizirik, e resultou na publicação de artigo na revista Science Advances.

O primeiro genoma da onça-pintada foi obtido de Vagalume, que vivia no Zoológico de Sorocaba (SP). Nascido na região do Pantanal em 1997 e pesando 94 quilos quando adulto, foi deixado no local quando filhote, após a morte da mãe. “Procurei um animal de cativeiro, para facilitar a coleta de amostras, mas que fosse originário da natureza”, comenta Eizirik.

Há 4,6 milhões de anos, os cinco grandes felinos tinham um ancestral comum, que era parecido com o atual leopardo. Ele deu origem às espécies atuais e também outras já extintas, que a partir da Ásia se espalharam por quase todo o planeta. O estudo revela que houve diversos tipos de cruzamentos entre estas espécies ao longo de sua evolução, o que pode ter contribuído para a sua sobrevivência até o presente. “Esses animais não têm um número estável. Como predadores de topo, são suscetíveis a mudanças ambientais, como a diminuição das presas, declinando rapidamente e perdendo a variabilidade genética”, explica o professor.

Um dos casos detectados de hibridação (cruzamento entre diferentes espécies) ocorreu entre a onça-pintada e o leão, e provavelmente foi vantajoso para a primeira. Os pesquisadores descobriram que ela herdou dois genes envolvidos na formação do nervo óptico, que após a hibridação sofreram seleção natural positiva (ou seja, foram importantes para a adaptação da espécie).

O estudo também aponta outros genes com evidência de seleção natural que mostram adaptação das espécies às novas condições ambientais. Isso pode explicar por que a onça tem a mordida mais forte entre os grandes felinos, conseguindo predar jacarés e tartarugas, com seus cascos duros. Outro exemplo é o fato de o leopardo-das-neves suportar mais a falta de oxigênio. Ele vive nos Himalaias, a mais alta cadeia montanhosa do mundo, e no Tibete, na Ásia.

Tigre, leão e leopardo-das-neves já tinham o genoma sequenciado. O grupo de William Murphy, da Universidade do Texas, contribuiu o sequenciamento do leopardo, permitindo a análise feita para o artigo, que pela primeira vez inclui genomas de todas as espécies deste grupo. Então aluno de doutorado em Zoologia pela PUCRS, Henrique Figueiró, orientado por Eizirik, trabalhou nos dados sobre o sequenciamento do maior felino das Américas.

A partir das descobertas, o grupo brasileiro e seus colaboradores em outros países estão agora conduzindo estudos genômicos ainda mais detalhados das onças-pintadas, envolvendo múltiplos indivíduos de diferentes regiões, o que será importante para aprimorar as estratégias atuais para a conservação desta espécie.

Para quem tiver interesse em ler o artigo, acesse em: http://advances.sciencemag.org/content/3/7/e1700299

E a reportagem sobre o artigo: http://m.folha.uol.com.br/ciencia/2017/07/1902543-orgia-felina-garantiu-sobrevivencia-evolutiva-de-oncas.shtml